O trekking, uma metáfora para a vida

6154

Quero que você veja este post como uma conversa descontraída de bar, como se estivéssemos na quinta rodada de chopp e que o assunto fosse a prática do trekking. Sinto a obrigação de avisar que talvez este papo tome um rumo filosófico demais, mas acredito profundamente no que vou dizer. Então, puxe uma cadeira e sente-se.

Sim, parece estranho, mas vejo o trekking como uma perfeita metáfora para a vida. Sempre senti que esta atividade possui uma relação muito forte com a maneira na qual lidamos com a nossa existência. Vou explicar melhor.

Acho impressionante como a prática da caminhada ao ar livre se assemelha a toda uma trajetória de vida. No trekking, encontramos dificuldades, alegrias, momentos difíceis, realizações, medo, descobrimos nossos limites, estimulamos a autoconfiança e planejamos alguns passos. E na vida também é assim. E vai além: caímos, levantamos, encontramos pedras, percorremos caminhos altos e baixos, nos distanciamos de pessoas, nos perdemos, nos encontramos, andamos sozinhos, andamos acompanhados, fazemos amigos, ganhamos desafetos e sempre estamos buscamos o ponto mais alto: a nossa realização pessoal.

O trekking, uma metáfora para a vida

Além disso, enxergo que o trekking seja uma verdadeira escola que tem um papel muito forte na construção de alguns valores, como solidariedade, companheirismo, consciência ecológica e diversos outros. Há quem possa dizer que tudo isso é bobagem, que o trekking não passa apenas de uma atividade ao ar livre. Nada além disso. Mas, em minha opinião, o trekking ajuda no processo de construção de identidade, como por exemplo, ter uma visão menos materialista do mundo, mas é certo dizer que não possui nenhuma garantia de mudança. Ele dá a oportunidade, mas vai de pessoa para pessoa.

 

Continue lendo, mas talvez você se interesse também pelos seguintes artigos:

A mochila ideal: saiba sobre mochilas de ataque, trekking e viagem

Seguro para viagem de aventura: já é hora de pensar em segurança

O desafio e o sabor da superação ao ar livre

A importância da viagem outdoor

Sobre viagens e montanhas

O trekking e seus sentidos

 

“Como numa trilha, o ser humano caminha pela vida sempre em fila indiana. Carrega em sua jornada duas mochilas, um mochilão nas costas e uma pequena mochila na frente. Na das costas, carrega seus defeitos e dificuldades. Na da frente, leva suas virtudes e qualidades — e mantém seus olhos atentos a ela. Sendo assim, carrega suas virtudes bem próximo ao peito, enquanto observa os defeitos e dificuldades do outro à frente, sem se dar conta que aquele que vem atrás pensa o mesmo dele.”  Autor desconhecido.

O trekking, uma metáfora para a vida

Se carregamos muita carga pesada, também vivenciamos experiências que auxiliam na lapidação da nossa personalidade. Ou seja, conhecemos os nossos limites, viajamos, visitamos lugares fantásticos, lidamos com pessoas… enfim, todos os acontecimentos do trekking, como as tensões, tomada de decisões, conquistas, improvisos, sucessos, frustrações e outras experiências vivenciadas na caminhada são pertinentes à trajetória de vida do ser humano.

Então, assim como na caminhada da vida, a prática do trekking é um constante aprendizado e, uma vez que começamos a viajar, que colocamos a mochila nas costas, que aprendemos a caminhar, não queremos mais parar.

 

(Fotos: shutterstock.com)



Rafael Kosoniscs tem 32 anos, é paulista, publicitário, guia de turismo, blogueiro e estudante de jornalismo. É viciado em viagens de mochilão — seja em cidades ou em meio à natureza. Tem o montanhismo como paixão, sonha em dar a volta ao mundo e escrever um livro.


30 comentários em “O trekking, uma metáfora para a vida

  1. Melissa Matos

    Nossa esse artigo foi fantástico, queria muito fazer trekking mais ainda não da pra mim.
    Mais admiro sua paixão… e pretendo fazer qualquer dia.
    Parabéns

    Reply
  2. Maria José Cadete Morais

    Para mim é exatamente assim, tenho 57 anos e há 4 , iniciei com pequenas trilhas de 10 e 15 km, é apaixonante, 2015 fui p Chapada Diamantina 2 vezes fazer trekking, já fiz o Vale do Pati o Vale do Capão e vou fazer o Monte Roraima no próximo semestre.

    Reply
  3. Amanda Aguiar

    Ótimo texto!
    A minha irmã que me mandou, e realmente me identifico muito. Sempre gostei de trilhas,desde crianças fazíamos pequenas trilhas próximo à chácara dos meus avós. Com os anos nada de atividade fisica eu fazia, até que há três anos voltei a pedalar, e agora descobri o trekking, em janeiro fui para Extrema no Pico do Lobo,onde realmente me apaixonei. Agora tenho duas atividades que estou investido: Bike e Trekking. Como todo esporte, os itens de segura e bons não são nada baratos, então estou comprando aos poucos, e pretendo em junho ir para a Pedra do Sino – Tere.
    Eu já tenho: bota, capa de chuva (a mesma q uso na bike rs), bastão, mochila cargueira e de hidratação (ambas quechua), o que você acha que ainda falta para eu fazer esse primeira expedição, lembrando que pretendo dormir no abrigo e não em barraca (tenho uma resistencia quanto à dormir em barraca, mas vou mudar isso em breve).
    Um abraço.

    Reply
    1. Rafael Kosoniscs Post author

      Amanda, que bom que gostou do texto. Sobre o seu início no trekking, recomendo que comece com pequenas trilhas até pegar mais experiência para realizar maiores travessias. Desejo sorte! Um abraço!

      Reply
  4. Maely

    Voce traduziu em linhas nosso real sentimento quando estamos mergulhados de corpo e alma em nossas trilhas, o que sei dizer é que me sinto em paz comigo e recontruída a cada trilha, é como um processo de renovaçao. Adorei!!

    Reply
  5. Regina

    Tradução perfeita, quando faço trilha me sinto renovada, como se eu estivesse me reconstruindo, com um novo dom de liberdade, deixando alguma coisa para trás, adquirindo, algo novo! Texo perfeito!!

    Reply
  6. Elias

    Parabéns pelo texto, transmitir os sentimentos em palavras isso é para poucos. Acredito que o Trekking não é apenas um esporte, é um estilo de vida,

    Reply
  7. Aline Alves

    Não vejo a hora de conseguir trazer o trekking pra minha vida. Muito inspirador o teu texto, me fez querer ainda mais.

    Reply
  8. David Manuel Dias Correia

    Excelente artigo Rafael, fica o convite para que numa visita que faças a Portugal, palmilhemos o maciço central da Serra da Estrela

    Reply
  9. michele

    Maravilhoso o texto me encontrei nesse mundo do trekking uma paixao que so aumenta ,me ajudou a entender a mim mesmo ,superar meus limites e me torna mais grata a vida .

    Reply
  10. Tamara Carvalho

    Você conseguiu descrever o pouco do que sinto quando faço trekking!!!! Eu sempre digo para aqueles que me acompanham nessas aventuras que é como se estivessemos fazendo um detox na alma na vida!! Nem todas as palavras do mundo poderiam descrever com exatidão o que sinto quando estou em meio a natureza fazendo trekking!!!!! Trekking é vida!! Amei seu texto!! Parabéns! !!

    Reply
  11. Douglas

    Você fala sobre viagens de aventura como poucos, acabei de descobrir o seu blog e ja li varios textos.
    Vou fazer o meu primeiro mochilão no fim do ano e estou tendo otimas dicas aqui no seu blog.
    Parabéns pelo trabalho.

    Reply
  12. Brenda Reis

    Esse é o melhor texto que já li em um blog de viagem! Você descreveu cada detalhe, cada sentimento. Parabéns! Estou muito tocada e faço suas as minhas palavras sem tirar, nem por. Amei!

    Reply
    1. Rafael Kosoniscs Post author

      Olá, Brenda. Poxa, que bom que gostou. Tentei me expressar ao máximo e procurei transmitir o quanto o trekking é incrível. É muito além de caminhar, né Muito obrigado pela visita e pelas palavras. Isso me faz continuar escrevendo e me motiva cada vez mais. Beijo no coração!

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *